Cadastra-se para receber meu conteúdo

quarta-feira, 15 de março de 2017

Toda Luz que Não Podemos Ver - Anthony Doerr

Olá pessoas!
Trouxe hoje esse livro lindo pra vocês. Esse romance é muito famoso e ganhou alguns prêmios importantes.
Vamos à história.

O livro conta a história de forma que acompanhamos o que aconteceu pré e pós guerra com nossos protagonistas. Acompanhamos Marie-Laure com seu pai e Werner que se tornou um soldado nazista, a história de ambos se cruzam de uma forma não esperada por nós.

Marie-Laure é uma criança/adolescente cega, mora com seu paizinho. Ele trabalha em um museu e sempre leva sua filha junto, num cantinho ela gosta de ler seus livros que ganhara de seu pai em braile. Eles eram muito pobres, mas muito honestos e humildes. Muitos anos trabalhava neste museu como chaveiro e o dono o via como um dos funcionários mais leais. Ela, apesar de cega, ganhou uma autonomia por ajuda de seu pai que criava maquete do seu bairro para que pudesse saber sair sozinha.

Resultado de imagem para livro toda a luz que não podemos verNa cidade houve uma ocupação da Alemanha nazista, o cenário é de bombardeamento, fuga, pobreza, rebeldia e medo. Seu pai foi confiado a viajar para um lugar seguro com um diamante muito importante e caríssimo, em forma de lágrima batizado de Mar de chamas. O dono do museu pediu mais três pessoas para fazer o mesmo trabalho, cada qual sem saber qual era o diamante verdadeiro, isso para afastar a cobiça.

Werner mora em um orfanato com sua irmãzinha e considera os outros moradores como irmãos e a quem cuida de mãe, já que é a única família que ainda possui. Quando criança ele e sua irmã ficava ouvindo um rádio, tinha um programa que adoravam e veneravam. Não sabiam eles que esse conhecimento deste programa e o sentimento que deixou salvou vidas.
Desde pequeno tomou gosto por rádios, esperto como era desmontava e remontava, e assim aprendeu a consertá-los, ganhou habilidades com fios e resistores e a notícia se espalhou, assim ganhou a oportunidade de ingressar na escola de inclinação nazista. Sua irma não aprovava a ideia dele entrar para este colégio, era melhor ele trabalhar nas minas de carvão que apoiar os nazistas, mas nada que ela falasse ou fizesse mudou a ideia dele fugir do seu futuro sendo um ninguém ali.

Na escola ele pensou várias vezes em desistir, era muita coisa ruins que presenciava, mas estava focado em seu objetivo, era esperto e inteligente, iria adiante e conseguir ser alguém, assim se tornou um soldado nazista

Enquanto Werner estuda, Marie-Laure e seu pai após a fuga procuram a casa de um tio-avô, o último parente de seu pai. Esse tio-avô sofre há muitos anos de pânico, não sai na rua e somente fica trancado no quarto. A perda de seu irmão na guerra teve essas consequências, mas a chegada da nossa protagonista em seu lar o trás à realidade. Depois de algum tempo ele mostra a Marie-Laure o transmissor que tem no sótão, construiu há alguns anos e contou-lhe histórias da época que faziam transmissões.

Com essa onda de guerras, bombardeios e pobreza ele aceitou a voltar a fazer transmissões ilegais, por pouco tempo no dia e no fim colocava as mesmas coisas que colocavam anteriormente, por cinco minutinhos e isso já o alegrava.

Nesta época Werner já tinha se formado e o seu trabalho era viajar procurando transmissões ilegais, tinham ordem para atacar e matar os que achavam. E além disso havia um oficial nazista, já a beira da morte que tomou conhecimento do tal diamante e acreditava que se o achasse teria vida. Faria de tudo e mais um pouco para conseguir achar.

Nunca tinha lido uma história sobre a segunda guerra mundial deste angulo. O livro conta a vida inteira de ambos os personagens e é difícil largar a leitura, porque sempre queremos mais.


"-Quando perdi a visão as pessoas disseram que eu era corajosa. Quando meu pai foi embora, as pessoas disseram que eu era corajosa. Mas não era coragem; eu não tinha escolha. Acordo todos os dias e vivo a minha vida. Você não faz a mesma coisa? - Não vivo minha própria vida há muitos anos. Mas hoje. Talvez hoje eu tenha vivido."